Outros

 

Alunos aprenderam tudo sobre churrasco (Fotos: JC Curtis/Fundacc)

A realização do Curso Profissionalizante de Churrasco, oferecido pela Fundacc – Fundação Educacional e Cultural de Caraguatatuba – foi considerado um sucesso pelos 15 alunos que se formaram no começo deste mês. Muitos já falam em abraçar a profissão, enquanto outros acreditam que terão mais bagagem para trabalhar.

Nesta semana tem início as aulas para quem quer aprender a fazer pizza e esfiha. Em menos de três horas o número de vagas (12) foi preenchido  e o curso vai até o próximo dia 23. Uma nova turma começa no dia 26 de junho com as aulas até o dia 7 de julho.

Aos 16 anos o jovem Gabriel Pereira, morador no Morro do Algodão, disse que está no caminho certo. Ele foi um dos formandos e já se vê pilotando a churrasqueira da sua casa e, quem sabe, ajudar a mãe nas atividades. “Minha mãe é cozinheira, já teve restaurante e agora, com certeza, vou contribuir ainda mais para ajudá-la porque até saber como escolher o tipo de carne para um churrasco gostoso eu aprendi”.

Quem também está empolgada com o resultado é Cintia de Lima Vieira, 30 anos, que soube do curso e ia se inscrever para o de pizza quando viu que havia para churrasco. “Foi a melhor escolha que fiz porque o professor é muito bom e conseguimos ter uma boa noção para fazer um churrasco  com todo acompanhamento”.

Ela cita, por exemplo, que aprendeu a fazer abobrinha recheada, rocambole fácil, molhos especiais que dão um sabor a mais para um almoço completo.

O professor dos cursos, Marcos José de Paula, disse estar satisfeito com o resultado porque os alunos já mostram que assimilaram tudo que foi passado durante as atividades teóricas e práticas.

“Eles já estão fazendo as receitas que aprenderam, cada um dando o seu toque especial, por isso, a resposta foi muito positiva”.

Agora, ele vai ensinar como fazer massa básica que pode ser utilizada tanto para pizza como para esfiha assadas em forno a gás. “Sabendo fazer a massa, o recheio pode ser inventado de acordo com o gosto de cada pessoa”, explica o professor.