Telefone

12 3897-5660

E-mail

contato@fundacc.sp.gov.br

Horário de funcionamento

Seg - Sex: 8h às 17h30

A Fundação Educacional e Cultural de Caraguatatuba (FUNDACC) e o Conselho Municipal de Política Cultural de Caraguatatuba (CMPCC) apresentam o Festival Marmundo, projeto que compõe a segunda fase de exposições dos trabalhos contemplados pela Lei Aldir Blanc.

Com conteúdos que variam entre clipes, videoartes, documentários, contação de história, teatro, música, dança e mais, o Festival ocorre nos dias 15, 20 e 22 de abril, a partir das 20h, pelo Facebook da Fundação (facebook.com/Fundacc) e do Conselho (facebook.com/conselhoculturacaragua).

O Festival Marmundo tem como objetivo contemplar a diversidade artística e cultural local. Sua principal missão é oferecer entretenimento de qualidade que acolha os mais diferentes gostos e preferências, para valorizar e dar visibilidade à riqueza, potência e pluralidade dos artistas da cidade. Sendo assim, Marmundo é um momento de apreciação para o público e de diálogo entre múltiplas manifestações da arte.

“[…] a importância de uma coisa não se mede com fita métrica nem com balança nem com barômetros etc. Que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós […]”, Manoel de Barros.

De acordo com a organização do Festival, arte é a tentativa de relacionamento com o mundo e consigo mesma, é o construir, o conhecer e o se expressar das mais diversas formas. É engolir o que o mundo dá e devolver como se vê, é o encantamento constante. A importância da arte, como disse o velho poeta, não tem como medir, não há alcance para isso.

“Marmundo é o mar de gente que habita o mundo, que vive, que expressa, que sobrevive. Nesse Marmundo, os artistas são o respiro, o olhar sublime sobre coisas que outros olhares talvez não alcançariam. Marmundo é mar, é gente, é mundo, é vida”.

Programação completa

Dia 15/4 – (quinta-feira) – às 20h

Apresentação: Pedro Caetano (@pedrocaetano.ambiental)

•          Henrique Leone Vitório Paes (Clipe)

Sinopse: “Bom é viver em família, projeto do criador Amor de mãe, amor de irmão, carinho, abraço e calor. O som do violão, os versos que não se escrevem. O avesso do direito e o amor que não se perde”.

•          Fabio Rodrigo Pereira – FelipeVernezzi (Documentário)

@rodrigocinema @felipevernizzi

Sinopse: Dito Artista autodidata de Caraguatatuba.

•          Ekaterina Abashina dos Santos (Clipe)

 @clube_do_choro_de_caragua

Sinopse: O resultado pretendido neste clipe é a exposição e o oferecimento das riquezas culturais que o Choro, através do Clube do Choro de Caraguatatuba, representa e oferece para todos os brasileiros em território nacional com suas lindas e marcantes peças atemporais.

•          Cristian Souza da Silva (Videoarte)

    @rarocrise

Sinopse: “Levei como inspiração as mudanças corporais que acontecem com os adolescentes durante a puberdade. Foi algo que me afetou e me instigou a transformar essa experiência em algo artístico. Decidi então gravar esse vídeo falando sobre o meu corpo, com intenção de mostrar que mudanças acontecem e nós temos que aprender a lidar com isso, e também aceitar a nós mesmos como realmente somos”.

•          Bruno Pedroso dos Santos (Videoarte)

@pezuza

Sinopse: “No meu lugar, como artista, surge a dúvida: e a LIBERDADE? Como minha saúde mental se relaciona a quatro paredes? Eu, preso, isolado, dentro de minha casa, morando com os meus avós – que fazem parte do grupo de risco; o dilema constante de estar ou não infectado, se eu tenho o poder de colocar um ponto final em tudo”.

•          Diogo de Souza Cesar (Clipe)

@murilo_net @masthifi

Sinopse: “Esse clipe leva a mensagem de superação, e mostra ao público que em nossa cidade há artistas capazes de lançar conteúdos de alto padrão musical e audiovisual”.

•          Bruna Guimarães Prior (Contação de História)

@plantadeiradehistorias

Sinopse: Nesta contação, a Plantadeira de Histórias traz ao público a lenda da Pedra da Freira e Pora – O Guardião do Rio Juqueriquerê, assim realizando o resgate da cultura caiçara e o fomento da arte de contar histórias.

•          Fernando Dragone Pessoto (Clipe)

@samamba

Sinopse: O clipe traz a valorização da cultura local e a importância da conscientização e prevenção no combate a Covid-19. Seu público alvo é o povo brasileiro em geral, trabalhadores da saúde que enfrentam a pandemia de frente, professores que se desdobram para exercer sua profissão, e artistas que “gritam” e lutam por seus direitos, e a todos que apreciam a arte.

Dia 20/4 – (terça-feira) – às 20h

Apresentação: Ruty Helen (@ruty_helen)

•          Matheus Vinicius de Souza (Videoarte)

@alaranjou

Sinopse: Essa proposta se estrutura na vontade em representar toda a força dos elementos, e como podemos subverter as ações negativas sobre o meio, possibilitando ao público repensar todos os atos do seu cotidiano, para que assim haja um futuro mais equilibrado com o meio em que estamos inseridos e todo o resto da cadeia. A pretensão é que este conteúdo seja o mais livre e abrangente possível, conseguindo dialogar com todas as faixas etárias, fortalecendo a cena regional, além de multiplicar a educação ambiental de uma maneira poética e orgânica.

•          Emerson Reis de Oliveira (Videoarte)

Sinopse: Dado o momento de distanciamento social, como principal medida contra a crise pandêmica da Covid-19, surgem discussões e pensamentos sobre a reclusão e isolamento, sobre a dificuldade de se manter longe e sem contato direto com os outros.

 Como público alvo, pode-se compreender uma ampla faixa etária, visto que toda população sofre com esta crise sanitária, tendo a necessidade do confinamento. Porém, o vídeo retrata a perspectiva de uma parcela dos adolescentes de Caraguatatuba.

•          Hannah Carolina Silva Ferreira (Teatro Virtual)

@aquelahannah

Sinopse: Teatro de… rua?! Em casa?! Em tempos de pandemia, a rua passa a se reinventar nas janelas virtuais. Assim, O Grupo Teatro de Trincheira procura novas perspectivas do fazer teatral, no aqui e agora, compartilhando seus anseios com a plateia atrás da tela.

•          Jose de Barros Pinto Filho (Videoarte)

@z.j.barros

Sinopse: As motivações para este videoarte partiram das muitas reflexões sobre o atual momento histórico ligado ao processo de pandemia, que alterou toda a dinâmica das relações humanas, reverberando no ambiente escolar com novas práticas pedagógicas, diante da necessidade de distanciamento social. Este curta-metragem busca reviver memórias ainda recentes do convívio escolar, dos espaços vazios na espera da normalidade, dos detalhes de um cotidiano agora nostálgico.

•          Davi Silva de Oliveira (Dança)

@dv_silva13

Sinopse: A construção da proposta foi estruturada nos tempos atuais, onde o olhar e a percepção humana para fatos do dia a dia, e para o outro, passam cada vez mais despercebidas no mundo caótico e veloz que habitamos. As técnicas do Hip hop e da expressão corporal humana compõe as cenas, além dos olhares de diversos pontos que enriquece a percepção do telespectador.

Dia 22/4 – quinta-feira – às 20h

Apresentação: Michael Douglas

•          Esdras Cabral Pereira (Show infantil)

@esdrascabralmusico

Sinopse: A OssoBanda desenvolve o seu trabalho pensando seriamente na criança ouvinte. O músico Esdras Cabral, grande contribuidor da OssoBanda, também carrega em sua bagagem pesquisa e ensino na área de educação musical, e deseja que todos os pequenos tenham acesso à música de qualidade.

No modelo online do show, Cabral, com versão voz e violão, traz composições autorais e esquetes divertidas e bem humoradas envolvendo os mascotes da OssoBanda.

•          Angelo Pereira da Silva (Contação de Histórias)

@angelopereiraator

Sinopse: Através da Contação de Histórias, músicas e instrumentos musicais a interação se torna efetiva. Com técnicas de teatro de rua, tais como: teatro de rua, mímica, animação, jogos e brincadeiras tradicionais.

•          João Carlos Correa da Silva (Show de Blues)

@joaomontanha78

Sinopse: Nesse show, João Carlos Correa da Silva aborda aspectos históricos apresentados em Workshop musical, contando passagens da história e apresentando canções que ilustrem os acontecimentos e relações com a música.

As produções exibidas durante o Festival foram realizadas por meio dos editais da Lei Aldir Blanc, pertencem ao Acervo da FUNDACC e poderão ser exibidas em diversas atividades e espaços conforme previsto no Edital.

 O Festival seguirá com novas fases nos próximos meses, com a curadoria da Sociedade Civil do Conselho Municipal de Política Cultural de Caraguatatuba.

Posts Relacionados