Outros

A palestra “Pesca Predatória e resíduos no mar” promovida pelo Instituto Argonauta, organização que visa à conservação costeira e marinha, abriu a Semana do Meio Ambiente, nesta segunda-feira (03/06).

O evento foi voltado para pescadores e participantes da Festa da Tainha e Festa do Camarão, que lotaram o auditório da Fundação Educacional e Cultural de Caraguatatuba (Fundacc), no Centro. O intuito foi explicar sobre os problemas da pesca predatória e os prejuízos que os resíduos jogados no mar causam para a fauna e flora marinha.

Em seguida, a nutricionista, Paula Almeida, do Banco Municipal de Alimentos, conversou com o público sobre a manipulação de alimentos com ênfase na manipulação de pescados.

A nutricionista ressaltou que, desde a captura de peixes, moluscos e crustáceos, até o consumo, o acondicionamento deve ser feito em recipientes plásticos, higienizados, com gelo por baixo e em cima de preferência cortado em escamas e com cobertura. Também falou sobre a forma correta de higienização das mãos antes do manuseio dos alimentos, importância das instalações terem pisos e paredes de cor clara, de materiais resistentes, impermeáveis e laváveis, sem frestas, rachaduras ou goteiras. Além de vários requisitos exigidos pela Vigilância Sanitária.

O pescador, Valdir Cunha do Prado, 59 anos, trabalha há 15 anos na Festa da Tainha e há três na Festa do Camarão. “É sempre importante participar de cursos e palestras para relembrar os procedimentos. Nós, que trabalhamos com alimentos, temos que saber as regras de manipulação de cor e salteado”, afirmou.